Drones Médicos Preparados para Decolar

1
drone na área médica
drone na área médica

Os Drones Prime Air da Amazon provavelmente não vão estar realizando entregas para os americanos tão cedo, mas em algumas partes remotas do mundo, veículos aéreos não tripulados (VANTs) já estão sendo testados em campo para uso médico. Os drones entregaram com sucesso pequenos pacotes de ajuda após o terremoto do Haiti, em 2012, em Papua Nova Guiné, temos também o Médicos Sem Fronteiras, que utilizou drones para o transporte de amostras de testes de tuberculose de uma aldeia remota da grande cidade costeira de Kerema.

As empresas americanas estão testando drones em áreas remotas porque a Federal Aviation Administration (FAA), até agora está proibindo a utilização de VANTs no espaço aéreo dos Estados Unidos (com algumas exceções). Isso vai mudar em algum momento de 2015, quando a FAA emitirá normas que visam a integração dos drones no Sistema Nacional de Espaço Aéreo. Em seguida, o céu pode ser o limite para aplicações médicas para drones.

Ao contrário dos grandes e caros drones militares, os pequenos multirotores usados comercialmente para logística custam em torno de US$ 10.000 e podem transportar uma carga útil de 2,3 kg por 30 a 60 minutos de tempo de vôo, percorrendo entre 30 a 90 km. Eles podem ser operados manualmente ou pré-programados para operar em rotas específicas, precisam de quase nenhum espaço para decolar e pousar, e podem soltar pacotes em baixa altitude.

A primeira aplicação médica de UAVs é provável que seja de apoio de desastres, onde a logística de distribuição de produtos derivados de sangue é muitas vezes um problema maior do que a oferta. A capacidade dos drones para viajar em estradas fechadas e terrenos acidentados sem risco para a tripulação de voo parece torná-los ideal para uso em áreas de desastres.

Cornelius A. Thiels, um cirurgião no campus da Mayo Clinic, em Rochester, Minnesota, acredita que drones podem ser utilizados para o transporte de produtos derivados do sangue para os hospitais de díficil acesso, locais de desastre em massa e navios com passageiros gravemente feridos.

O abastecimento de sangue nos hospitais americanos ocorre diariamente ou semanalmente, dependendo do hospital, em vez da utilização de transporte corriqueiros, o sangue poderia ser distribuído de forma mais eficaz com drones em situações emergenciais.

Os drones também podem futuramente entregar medicamentos caros e raramente usados, como antídoto para picadas de cobra, bem como ajudar a atender a demanda por produtos derivados de sangue no atendimeno pré-hospitalar.

“Nossa equipe de transporte avançado faz cerca de 2.000 voos por ano e em 2013 entregou mais de 200 unidades de concentrado de hemácias e 200 unidades de plasma, por isso a necessidade de produtos derivados de sangue é clara”

, diz o Dr. Thiels. “Helicóptero e até mesmo transporte de ambulância é extremamente caro, enquanto o custo de voar um drone é realmente baixo em dólares por viagem. Os custos com piloto e combustível se tornam nulos, também não há risco para a tripulação de voo”.

Apesar dos drones serem uma grande promessa para o transporte de produtos médicos, o campo ainda está no início. Os riscos precisam ser cuidadosamente avaliados, incluindo os riscos potenciais de milhares de pequenas aeronaves voando, literalmente, sob o radar. Ainda assim, esses obstáculos não são intransponíveis, e com o Google, Amazon e várias startups testando protótipos de drones em grande velocidade, o transporte comercial com VANTs parece inevitável.

Dr. Thiels acha que existem muitas outras aplicações potenciais para drones – entregando desfibriladores, por exemplo, ou torniquetes e outros suprimentos hemostáticos para pessoas feridas em tiroteios. “Eu não sei o quão realista que seja, mas é emocionante”, diz ele.

Mayo Clinic.