O UAS (denominação do sistema completo, drone e controle) RQ-1 Predator foi lançado no início de 94 como uma demonstração conceito de tecnologia avançada, a versão com armas saiu posteriormente e foi denominada MQ-1 (veículo aéreo não tripulado de propósito múltiplo), trata-se de um dos drones de grande porte que obteve maior sucesso, tanto comercialmente, quanto em horas de voo com sucesso(são mais de 500.000 horas de voo registradas).

A fabricante do drone Predator é a General Atomics Aeronautical Systems, uma empresa privada sediada na Califórnia, especializada no setor de defesa, com grandes contratos governamentais (fornecem além do equipamento, treinamentos e pilotos), mas que vem também ocasionalmente fechando contratos com outras empresas para prover suas soluções para outras áreas.

O projeto do MQ-1 é baseado no GNAT 750, um UAV desenvolvido pela GA na década de 80, que encontra-se em uso até hoje, pela CIA.

GNAT UAV
Drone Militar GNAT, antecessor do Predator

A maior evolução do GNAT para o MQ-1 foi a inclusão de um link de controle via satélite na banda KU, isso significa que o MQ-1 pode ser controlado remotamente estando em qualquer local do planeta, ainda há um problema de latência, que pode ser de 2 segundos até alguns minutos, dependendo das condições atmosféricas e climáticas, mas é uma grande evolução, o limite de distância deixou de ser dado pelos links de comunicação e passou a ser somente dependente da quantia de combustível que o drone está levando.

O Predator foi utilizado em operação inicialmente pela Força Aérea Americana em 96, em voos sobre a Bósnia, atualmente a CIA também utiliza o equipamento, e a Força Aérea da Itália.

A primeira versão armada do MQ-1 foi utilizada no Afeganistão, aonde levava mísseis HellFire (míssel ar superfície de alta precisão, utilizado desde 1980).

Predator MQ1 Drone Militar com Mísseis
Predator MQ1 Drone Militar com Mísseis

Cada sistema Predator consiste em quatro veículos aéreos não tripulados (UAVs), uma estação de controle de solo, um terminal de comunicações por satélite e 55 pessoas entre mecânicos, pilotos e apoio. O MQ-1 é equipado com equipamentos de reconhecimento e armas, tendo como principal função o reconhecimento para inteligência, vigilância e reconhecimento de capacidade inimiga, fica até 40 horas no ar, então naturalmente, há troca de pilotos em uma mesma missão para a continuidade do trabalho. Uma função interessante do Predator, já testada, é levar drones menores, mais baratos e soltá-los para reconhecimento em baixa altitude, sem deixar o Predator à mercê do fogo inimigo. Modelos de drones menores, mais baratos sempre foram muito úteis ao exército, no entanto, devido a pequena autonômia e alcance de rádio(cerca de 15km), é necessário ter uma base muito próxima ao inimigo para sua utilização, o que deixa os soldados mais vulneráveis, utilizar o Predator como plataforma intermediária foi uma grande ideia.

A versão de produção da aeronave Predator está equipada com um motor Rotax 914 turbo produzindo 105 cavalos de potência. A aeronave mede 27 pés de comprimento e 6,9 pés de altura. O Predator pesa 512 kg vazio, e 1.043 kg de peso máximo para decolagem (MTOW). Em uma missão típica de cruzeiro, o Predator voa a uma altitude de até 25.000 pés a 70-84 mph, com velocidade máxima de 135 mph. O Predator pode manter uma patrulha de 40 horas por uma grande área, a uma distância de 400 milhas a partir da sua base operacional. A capacidade de carga é de 204kg interno e mais de 136 kg externamente, e capacidade de combustível é de 286 kg. Melhorias no Predator incluem a substituição do sensor original electro-óptico / infravermelho por um sistema melhorado que adiciona um designador laser e asa reforçada, permitindo lançar dois mísseis Hellfire.

sensores e câmeras do Predator
sensores e câmeras do Predator

O sistema de câmeras e sensores do Predator é o Multi-Spectral Targeting System (MTS)
AN/AAS-52, composto por infra-vermelho, sensores CCDTV, laser, designador (travar em alvos), e sistema de iluminação com opção de laser de longo alcance. O Predator também pode contar com um radar da Northrop Grumman chamado TESAR.

O DataLink do Predator funciona através de rádio convencional(UHF e VHF) quando o mesmo está na visada da torre de controle e satélites quando sai da visada, o sistema envia informações de controle para o drone e também recebe as imagens, que podem ser visualizadas em qualquer parte do Globo através de sistemas de comunicação militares como o ROVER, Trojan Spirit II e o DCGS.

Recentemente conversamos com um piloto americano de Predator, a entrevista será disponibilizada no site nos próximos dias, mas vamos adiantar já algumas curiosidades, apesar do MQ-1 ter piloto automático, boa parte das missões ocorre com pilotagem manual por preferência dos pilotos e ordem superior, principalmente pouso e decolagem. Por se tratar de um equipamento na casa dos 15 milhões de dólares, a habilidade dos pilotos é posta a prova diariamente, as perdas de comunicação não são incomuns, aí nesses momentos o piloto automático assume até o reestabelecimento da comunicação (que pode demorar bastante tempo, como meia hora), a forma de pilotar o Predator é muito semelhante a um avião, sendo feita com joystick e pedais, em operações aonde se utiliza o poder de fogo do Predator, são 3 pessoas as principais envolvidas, um pilotando, outro operando os sensores e câmeras e um terceiro designando e travando os alvos.

Classificação pela Força Aérea Americana:
“Tier II” MALE UAS (média altitude, voo de longa duração, sistema aéreo não tripulado)

Locais em que o MQ-1 Atuou em Guerras

  • Afeganistão
  • Paquistão
  • Bósnia
  • Sérvia
  • Iraque
  • Yemen
  • Líbia
  • Síria
  • Somália

Curiosidades:
Um avião Hércules C130 é o indicado para carregar a estação de controle do Predator, que é a maior parte do sistema.

A multiespectral que o drone leva custa 1 milhão e 100 mil dólares e é compatível com diversos modelos de drones, em 2015 a empresa vendeu 7 câmeras, em 2016 apenas uma.

A antena do link de satélite é um disco de 6 metros.

O MQ-1C Gray Eagle utiliza motor Thielert 2.0L de 165hp.

Decolagem e Pouso

Por Dentro do Predator

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA