Um bom voo começa bem antes do drone sair do chão, a utilização responsável do equipamento envolve diversas verificações de ambiente, equipamento, pré voo, missão, in flight e pós voo, todos estes checklists detalhados estão presentes na apostila(mais de 150 páginas) que é fornecida aos alunos do curso presencial de Piloto Remoto de Drone, hoje veremos sobre o checklist de ambiente.

  • Existência e Localização de Cabos, Fios e Linhas

    – A maioria dos equipamentos utilizados atualmente não transmite via FPV na mesma qualidade que está filmando, isso significa que um fio ou cabo que você consegue visualizar posteriormente na gravação em alta qualidade, pode não aparecer na tela enquanto você voa, devido a resolução mais baixa, como exemplo podemos citar o P3S que pode gravar em 2.7K mas realiza a transmissão de vídeo para o dispositivo mobile em 720P, além disso tem também a questão da qualidade da tela do dispositivo mobile. Em um bom voo a nível profissional, existe um objetivo claro, você não sai do chão sem saber o que vai fazer, seu trajeto futuro é conhecido no plano de voo, o que possibilita a inspeção visual e com binóculos préviamente para ver a existência de fios e cabos. Se o caso for crítico, como uma antena de uma rádio próxima por exemplo, é bem importante ir até o local antes, inspecionar visualmente e analisar a altura. Em algumas cidades mais afastadas e até mesmo em grandes centros, é possível a existência de torres de alta tensão e cabos em altura bem superior ao convencional, sendo necessária também uma boa inspeção visual e observação dos cabos entre as torres. Ficar atento também com a existência de pipas próximas, pois as linhas são bem mais finas que um cabo e muito mais difíceis de se ver.

  • Existência e Localização de Animais

    – Os equipamentos equipados com ultrassom podem incomodar animais com audição mais sensível.

  • Localização do Pessoal Operacional

    – Você deve saber aonde estão todas as pessoas participantes da operação, principalmente em momentos de pouso e decolagem.

  • Existência e Localização de Público Geral

    – Se houverem no local pessoas não participantes da operação, as mesmas devem manter 30metros de distância do local de pouso e decolagem, durante o voo o drone não deverá se aproximar mais de 30 metros em projeção vertical dessas pessoas.

  • Zonas de Escape (Buffer Areas)

    – Deve-se manter uma área de escape entre o drone e o pessoal operacional, à fim de possibilitar um pouso de emergência em segurança mantendo uma distância segura da equipe.

  • Análise de Topografia Local

    – A análise da topografia local é importante por 2 aspectos principais, o primeiro é assegurar a visada do controle, se há acidentes geográficos naturais ou artificiais na área de voo, você deve estar ciente que não deverá perder a visada do controle para diminuir o risco de perda de rádio (ir atrás de um morro ou prédio). O segundo aspecto é a respeito da altura, a maioria dos drones comerciais utiliza da altura relativa baseada no barômetro e no local de decolagem(sistemas como VPS da DJI só funcionam em baixa altura), ou seja, pode ocorrer por exemplo de na tela estar marcando 100 metros, aí você voa em cima de um morro, na tela continua marcando 100 metros, mas se o morro tem 50 metros, você estará a apenas 50 metros do chão e não a 100, como estará sendo mostrado via telemetria.

  • Visada do Horizonte

    – Procurar um local de decolagem que maximize a visada livre do horizonte para aumentar o número de satélites GNSS travados.

  • Locais Alternativos de Pouso

    – Antes de decolar, você já deve ter um plano B, para o caso de ocorrer obstrução da área de decolagem (ex.: um carro estacionou / caiu uma árvore / etc), você já deve saber previamente locais alternativos para pouso.

  • Temperatura Adequada ao Equipamento

    – Todo drone tem uma faixa de temperatura de trabalho, você deve conhecer e respeitar essa faixa, baterias LiPo não se dão bem em ambientes muito frios, podendo inclusive ocorrer uma descarga rápida, entrando em modo crítico se exigida ao extremo antes de estar com temperatura adequada. Os equipamentos DJI contam com alguns avisos na tela sobre a temperatura, que não devem ser ignorados, um dos casos que pode ocorrer é a controladora limitar a propulsão do equipamento para evitar danos, nesse caso, você deve estar ciente que o equipamento terá resposta mais lenta que o convencional.

  • Visibilidade Adequada ao Modo de Voo Planejado

    – Se o seu voo for visual (olhando para o drone) você só deve ir obviamente até onde sua visão alcança, neblina e nevoeiros reduzem consideravelmente esse alcance, se o voo for FPV, a utilização de um observador com binóculos é recomendada e não deve-se ir mais longe quando o observador anunciar que perdeu o contato visual.

  • Análise de Informações Meteorológicas

    – Saber a velocidade do vento e percentual de chance de precipitação e respeitar conforme o equipamento, há equipamentos com grande tolerância à chuvas e ventos, mas a maioria não tem essa tolerância, só realize o voo se as condições forem adequadas ao seu equipamento, verifique também o índice KP previsto para a hora do voo (dica: use o app https://www.uavforecast.com/).

  • Analisar Lugares que Podem ter Rotor e Gradientes de Vento

    – Artigo Indicado: http://www.escoladedrones.com.br/ventos-e-drones-combinacao-perigosa/.

  • Existência de Água

    – Lugares como lagos, rios e mar devem ser evitados, mesmo que você seja um excelente piloto, o seu equipamento pode falhar e nenhum fabricante dá garantia mesmo em falha no software se você cair na água. Tivemos um caso recente em que um DJI Inspire com menos de 5 horas de voo de um aluno mergulhou em um rio após apresentar problema em um dos motores, analisamos o log de voo e realmente não deu tempo de nada, em menos de 5 segundos após a mensagem de erro o drone estava mergulhado no rio.

  • Discuta o Plano de Voo com seu Observador

    – Como já dissemos, antes de decolar, você já deve saber o que vai fazer, e seu observador também deve conhecer seu plano de voo.

  • Comunicação e Mobilidade para Emergências

    – Como no Brasil a comunicação via celular é precária fora dos grandes centros urbanos, tenha sempre um plano B, saiba aonde tem um telefone público por perto e localização de pronto socorro e hospitais mais próximos.

  • Kit de Primeiros Socorros

    – Sempre leve um kit com você para o primeiro atendimento em caso de emergências, tenha também conhecimento de procedimentos básicos (https://www.youtube.com/results?search_query=curso+de+primeiros+socorros).

  • Fontes de Interferência

    – Os drones comerciais são equipamentos altamente suscetíveis a interferências eletromagnéticas, conhecer possíveis fontes dessas interferências antes do voo é fundamental para evitar surpresas desagradáveis, como a perda de referência da bússola, que pode levar o drone para uma direção indesejável ou até mesmo ruído no próprio link de comunicação, tornando a pilotagem impossível (drone não respondendo adequadamente aos inputs dos sticks).

  • Locais não Autorizados

    – Você não gostaria que alguém filmasse sua propriedade sem autorização, certo? As outras pessoas também não, conheça e mantenha-se dentro dos limites da propriedade que você está autorizado a filmar, além disso, deve-se verificar a existência de outras áreas restritas próximas a você, como aeroportos(manter 7km de distância), hospitais, presídios e quartéis.

Algo que é preciso frisar é que o uso responsável do equipamento não é necessariamente o uso dentro da lei, pode parecer estranha essa afirmação, mas é muito importante separar as coisas, é possível um piloto ser responsável e ainda assim não estar realizando voos dentro da lei, tendo em vista que a ANAC ainda não lançou seu texto final e a autorização do DECEA depende da ANAC, dizer que o piloto que não segue estritamente a lei é irresponsável (como afirmado por alguns pseudo especialistas lambedores de botas estatais) é colocar a etiqueta de irresponsável em 99% dos pilotos que utilizam o equipamento comercialmente no Brasil, algo extremamente leviano. Se você conhece alguém que realiza todos os seus voos não destinados a hobby com Anatel / Anac / Decea / MD (no caso de fotogrametria) na mão, por favor coloque nos comentários que posso rever o posicionamento no post, CAVE não vale, pois é destinado apenas a uso experimental.

Conteúdo extraído de:

manual operação drones
manual operação drones

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA